Em sessão da CV de FN debates acirrados acerca de projeto relacionado ao meio ambiente e preço pago por quilometragem do transporte escolar

176
1251

Parlamentares quase saem aos socos após discussão relacionada a esta e a outra gestão

VERADOR TULIO TRIBUNA - GESAMR NA BANCADA A DIREITA

Ânimos alterados:  Túlio na tribuna, Gesmar na bancada à direita

A sessão de ontem (05) estava morna enquanto os vereadores discutiam acerca dos projetos que criam o Conselho e Fundo Municipal do Turismo. O vereador Edimar Dias (PHS) pediu visto ao projeto, que foi negado, tendo voto favorável dos vereadores Magno (PCdoB ) e João Fernando – Túlio (PTB). Ambos alegaram que não tinham lido o projeto. Mas o presidente retrucou: “O projeto chegou aqui em 17 de maio”. “Não está tendo acompanhamento. Tem segunda, quarta e sexta para a gente está aqui e, na segunda é a votação; são poucos que comparecem. Na verdade, quem está pedindo o visto aqui é quem está sendo ausente. Os que estão acompanhando um pouquinho são favoráveis”.

Em decorrência do pedido de visto ter sido rejeitado, os projetos de criação do Conselho Municipal do Turismo e do Fundo Municipal do Turismo foram postos em votação e aprovados. O Conselho do Turismo é um órgão colegiado de caráter permanente, que visa aperfeiçoar o fomento do turismo no município. Já a criação do Fundo do Turismo visa facilitar a transferência do fundo a fundo, quer seja do fundo nacional, estadual e outros recursos de natureza diversas, como doações, auxílios, convênios etc.

De morna, a sessão passou à tépida quando o vereador Renato Arruda (PRP) reclamou acerca do transporte escolar “Nunca arrumaram o transporte. Um transporte sem banco, sem encosto. Essa firma dos transportes está fazendo a gente de palhaço. E a gente recorre ao chefe de transporte, não atende mensagem”. E arrematou: “E estou aqui para defender o povo”.

Mas o vereador Túlio defendeu a empresa dizendo que “não a ver como irresponsável. Se ela ganhou a licitação é porque teve o melhor preço e, se os donos de veículo prestam serviço dando R$ 1,27 de lucro para a empresa é porque eles estão de acordo”.

O vereador reportou-se à gestão passada respondendo acerca do uso de caminhonete no transporte escolar. “Na gestão passada na qual eu era vice-prefeito também era transportado aluno com caminhonete, na qual o Gesmar era vereador também. Não é agora que tem só cinco meses de governo, que é preciso mudar assim, imediatamente. Vamos dar um prazo, de pelo menos um ano para o prefeito fazer as estradas, pois tem estrada aí que não roda ônibus, tem que ser caminhonete”.

Todavia o vereador Gesmar Nogueira (PSDB) entendeu que quando Túlio referiu-se à gestão passada, lembrando que Gesmar era vereador, era uma espécie de indireta ao parlamentar. “Ninguém joga carapuça aqui em mim não, porque eu era vereador na época e passei os quatro anos batendo e vou continuar na mesma linha. O que o Túlio quer aqui é jogar a carapuça para mim; a carapuça serve é pra você, que foi vice-prefeito, era o manda chuva; o transporte era sob sua responsabilidade e vossa excelência nada fez, agora está jogando pedra, cuspindo no prato que você comeu, se retrate e olhe para trás”.

Daí então a sessão que já estava tépida chegou à tórrida. Os vereadores continuaram a trocar farpas, e a discussão chegou ao cume em que ambos parlamentares quase saem aos socos, mas foram contidos pelos demais vereadores, sobretudo pelo vereador Carlos Zoel (PP), que segurou o vereador Gesmar veementemente.

 

Facebook Comments